Sem pé, nem cabeça

Eu vou lhe contar uma coisa… Eu acordei errada hoje, ou ao avesso. Não amarrei meus cadarços, não me importei em pentear meus cabelos, sai bagunçadamente bem.

    
     Eu vou lhe contar uma coisa… Hoje eu roubei flores de um vizinho, roubei as flores que ele sempre as manteve trancadas, sem ver o mundo e escondidas atrás da cerca mal pintada, as dei para as ruas vazias, as ruas sorriram “banguelamente”, agradeceram.  
     
     Eu vou lhe contar uma coisa… Hoje eu sorri pra um senhorzinho cego, ele retribuiu mesmo não vendo meu sorriso colorido, mas ele sentiu, na troca de palavras entre nós dois somente, naquele velho metrô, dizendo que ele podia não enxergar o mundo aqui fora, porem o mundo ali dentro só ele tinha a excelência de ver e ser o único hospedeiro.
    
    Eu vou lhe contar uma coisa… Eu deitei meu rosto no chão da cozinha, queria ter uma visão do meu amigo felino ali repousando frente a mim, ele me observa tão fixamente que o sentia conversar dentro de mim, parecia ler meus pensamentos.
     
    A vida dele se passou diante dos meus olhos. Uma lágrima desceu, não sei o motivo ou até sei, pensava talvez no fim dele, e ele ali fixa a mim, parecendo me compreender, esticando-lhe a patinha tentando me alcançar, ou só tentando enxugar a lágrima que não se conteve e molhara o chão.
    
     Pisquei mil vezes para torná-lo real novamente, mas só estava recriando a falta de um pedaço meu.
     Recolhi-me, me levantei e fui fazer meus afazeres. Fui tentar viver, fui tentar ver a vida da minha janela.
    
    Eu vou lhe conta uma coisa… Faltavam-me as rosas daquelas ruas banguelas para me embelezar, os olhos daquele homem de visões também a mim faltavam, eu nunca existi, só percebi essa minha ausência nesse mundo. E fui viver pro meu mundo, sem pé nem cabeça. Hoje, amanha e sempre.
Imprimir

Compartilhe:

Foto de perfil de Myra Soarys

Myra Soarys

Intensa. Provocadora e sabe o quer. Adora Literatura de cordel e música boa. É pintora e desenhista. De personalidade forte. Um pouco impaciente. Expõe seus pensamentos. Os mais sadios e os mais doentios.

Pular para a barra de ferramentas