Proposta para um novo mundo

Há tempos que me pergunto, até onde vai a crueldade humana? Crueldade essa perpassada pelos mais diferentes segmentos da vida. São atos gratuitos de violência a todo momento. O pior acontece quando você começa a analisar que um determinado tipo de violência acontece para financiar o seu prazer. É?! É isso mesmo! Acontece todos os dias quando nos deparamos com pratos suculentos de carne bovina, frango ou qualquer outro pedaço de cadáver qualquer. Isso que você leu sim!!! Cadáver!

Os humanos, com toda sua habilidade e destreza de domínio e poder, se apropriam de forma agressiva e cruel dos animais e os tornam objetos para os mais variados usos do cotidiano. Temos usos de animais na alimentação (da mais simples a mais elegante), experimentos (vivissecção), para fins de entretenimento (remeto aqui aos rodeios, vaquejadas, circos ou qualquer outra diversão a custo da dor do outro).

O homem por ser uma criatura dotada de razão, podia compreender e sensibilizar-se pela dor do outro. A indústria alimentícia animal movida pela ganância ao capital promove atos animalescos a qualquer tipo de animal pelo custo do seu prazer ao deliciar-se pelo bife suculento do almoço da sexta-feira ou aquela picanha no fim de semana.

A humanidade precisa desconstruir alguns conceitos que se enraizaram em suas mentes por uma lógica capitalista voraz. Assim, o veganismo é uma proposta eficiente para combater de uma vez essa crueldade. Ser vegano é não compartilhar de atos grotescos de matança e propiciar uma vida mais leve e, principalmente, reconhecer os animais não humanos como seres dotados de razão e sentimentos. Precisa-se levar em conta sua moralidade, ou seja, necessitam de direitos para compartilhar sua vivência com os humanos.

Imprimir

Compartilhe:

Foto de perfil de Danielle Maria Câmara de Lima

Danielle Maria Câmara de Lima

Sou filósofa de formação. Amante e ativista incondicional dos animais. Leitura e filmes fazem parte do meu passatempo. Escrevo para além da exposição das minhas ideias, escrevo porque sei que alguém um dia vai atuar e levar adiante esses pensamentos. Interesso-me também por discussões de gênero e feminismo.

Pular para a barra de ferramentas