O uso avesso

Usar as pessoas, amar as coisas, usar as pessoas, amar as coisas…

O que nos faz pensar de forma tão cega e demente que existe o prazer maior que equivale aos nossos sentimentos trocados nas coisas reais da vida?

Sim, me ceguei, não de visão, mas de pensamentos e sentimentos. Troquei o amor por pessoas, por amor à matéria. Troquei o sentir por pessoas, para sentir afeto materialista.

Eu sei que tinha uma dimensão, forma de pensar e agir fora dos condimentos da vida. Eu troquei em toda minha vida a forma de agir, usava sim as pessoas, de tal forma as desgastá-las, assim edificando uma mente doentia e desviada por afeto avesso. Sem elas sentirem de serem transformadas em meu uso, eram minhas pessoas-objetos, danificando-as a serem utilizáveis, se igualando a mercadoria do mundo.

Eu usava as pessoas para meus ganhos e propósitos. Nada sentia de dor, de comoção e remorso por saber que as fazia como meus escravos manipuláveis. Eu exigia de mim apego a objetos do que a pessoas. Trocava o sentir por usar, para mim o ser humano era algo descartável, era algo prático e fácil de fazer uso. Pessoas eram meus objetos.

Em meio à matéria concreta, (carro, dinheiro) esses me envolviam a um amor eterno, como se a minha devoção de respeito se destinasse somente a eles (bens materiais). Eu usava as pessoas e amava as coisas.

Chegou um momento em que o meu condimento (razão) não dava sabor as minhas vontades reais. Sabia eu que o que o corpo transmitia em sentimentos, um objeto jamais realizaria em vida.

A felicidade era outra, constatada que o bem maior não nasce da matéria pura, e sim das coisas vivas.

Que em si a matéria nunca me afagaria, não me amaria, não me abraçaria, não me consolaria. que matéria é pobre de conceder minhas vontades internas, que ela somente solidificava a felicidade externa.

Imprimir

Compartilhe:

Foto de perfil de Myra Soarys

Myra Soarys

Intensa. Provocadora e sabe o quer. Adora Literatura de cordel e música boa. É pintora e desenhista. De personalidade forte. Um pouco impaciente. Expõe seus pensamentos. Os mais sadios e os mais doentios.

Pular para a barra de ferramentas