Cyclica

Somos partitura esboçada pelos acordes do desconhecido.

No átimo não percebido, o sopro que tudo define está a cessar – símbolo por ninguém instaurado, o calar do fôlego reitera a renúncia: será o fim da linha ou a charada de mais um ciclo finito?

Muitos anos de vida………….. sonhos guardados por quatro paredes – entre os retratos calados, poeira a acompanhar os passos de seu observador-protagonista, que, a cambalear com as mãos no peito, despenca subitamente. Infarto, tontura, dias de preocupação, manchas, prazo de validade, ida ao médico, a primeira dor.

Muitas felicidades…………… pássaro a voar – adeus, filho! – o horizonte que espera a prole é enchente a alagar os velhos olhos. “Conseguiu, sonhou, estudou, sonhou, estudou, sonhou, decidiu sonhar – que fizeste teu rebento?”.

Nesta data querida………………… paixão a deixar como herança um único fruto. Fim de uma jornada, pacto que não se desfaz – a vida se esvai do corpo corroído. Viuvez anunciada há muito, abriu as portas da consciência de que o amor é vivido enquanto em intervalos a fortalecer a aliança matrimonial. “Vestida de branco, subiu ao altar e pronunciou o esperado Sim – até que a morte nos separe”.

Parabéns a você……………….. amargos tons a abrirem espaço para a flama amorosa. Solidão, desconstrução – metamorfose – o quarto como cubículo a resguardar um mundo em transformação, varrido pelo dilúvio de lágrimas. Vestígios do imaginário interrompido, embrenhadas na poeira de prateleiras mil estão rodas que um dia deram vida ao fantástico. Os primeiros passos, as primeiras palavras, as primeiras sensações, o primeiro pranto.

E veio ao mundo.

Imprimir

Compartilhe:

Foto de perfil de Renan Schwingel

Renan Schwingel

Nascido em 2001, atualmente cursa o Ensino Médio no SENAI Concórdia. Tem expressado seu interesse pelo aprimoramento da causa educacional ao atuar como Jovem Embaixador pela FIESC desde 2015, sempre acreditando no poder da liderança e da reflexão.

Pular para a barra de ferramentas