Coloque-se no meu lugar e saberá o espaço maior que existe em você

“Não há lugar maior e mais preenchido que o corpo de outro alguém”. Assim me disseram muitos que sabiam se pôr no lugar do próximo. Eu? Eu não me enquadrava em corpo algum, talvez pela minha falta de comprometimento pessoal com os demais, pela minha falta de amor ao próximo.

Para o dito anteriormente, se posicionar, sentir os sentimentos do seu adjunto é categoricamente uma porcentagem seletiva, ao qual sabe caminhar-se em direção oposta a sua e encontrar uma casa de repouso construtivo na alma de alguém. Se pôr no lugar do outro e desequilibrar as suas preocupações, fazendo o outro sentir-se um pouco repousado dos seus problemas, se aliviando pelo simples ato de sentir-se cuidado. Porém, há categorias humanas que preferem manter-se na ignorância do cuidado.

Sabia eu unicamente me ocupar, unicamente me enxergar, olhar para o meu próprio umbigo e fazer com que essas minhas atitudes evacuassem a multidão para longe de mim, os deixando desolados a ponto de se sentirem desgostosos.

Se pôr no lugar do outro para mim era longínquo, porquanto eu nunca me perguntava o porquê da situação ocorrida ao outro, para mim qualquer comportamento errado era o errado sem me motivar a sentir o outro e suas dores, sem medir os dramas inteiros de outros seres.

Algumas almas próximas de mim sabiam muito bem se colocar no lugar dos demais, não era uma decaída de posse do lugar do seu próximo, não! Não arriscava sua posição e se estabelecia proprietário dela, não era roubar seu lugar no mundo, ao contrário, era dar ao próximo a sua vez de participação no mundo. Era fazê-lo existir.

Se pôr no lugar do outro era mais questionável e havia mais envolvimento que possa se imaginar. Se por no lugar do outro era preenchimento de ambas as partes, era preocupação humana com outra vida humana.

Porém, eu me acovadaria no meu egoísmo de mundiça, me sujando a ser esnoba, dor da minha paz despreocupada.

Imprimir

Compartilhe:

Foto de perfil de Myra Soarys

Myra Soarys

Intensa. Provocadora e sabe o quer. Adora Literatura de cordel e música boa. É pintora e desenhista. De personalidade forte. Um pouco impaciente. Expõe seus pensamentos. Os mais sadios e os mais doentios.

Pular para a barra de ferramentas